16 Julho 2014

Anda tudo bem por ai???

Tenho sido uma blogger miserável,  eu sei mas o ritmo tem andado alucinante e os meus dias não esticam. Alem do mais, o carregador do pc decidiu pifar (eu perdou-te rapaz, já rendeste o investimento) e aqui usam uma voltagem diferente para os pcs de modo que tenho de mandar vir um de portugal (estive la ha uma semana e nao me lembrei. Burra!! Eu nao digo que ando num lufa-lufa?)

Conclusao, tenho muitas coisas para contar mas pouco tempo para o fazer. Qualquer dia as noticias passam de validade, como os iogurtes, mas vou tentar actualizar as noticias em temoo útil.  Entretanto, e para que tenham muita peninha de mim (não tenham que eu estou fina!) decidi partilhar com voces esta linda foto. Os desgraçados dos papeis ja estiveram na mesa de jantar, passaram para o sofa e hoje chegaram ao chão.  Basicamente vão sendo enxotados do sitio onde estorvam e não  ha quem lhes pegue, coitados. Ate la a minha vida continua num lufa lufa e a minha sala numa pocilga. Parece-me bem.

PS: post escrito no tablete (ahaha! adoro quando lhe chamam isso) e como tal nem olhei para atras para corrigir patavina. Estas coisas sao pequenas demais para a minha paciência escritora. Sorry.

09 Julho 2014

1 ano de Escócia


Estava em Portugal quando fiz um ano de Escócia. Cheguei ontem. 

Ao comparar esta com a minha primeira chegada as diferenças são muito engraçadas de sentir. Não pensem que vinha com medo, não vinha. Tive medo até me decidir mas quando o fiz ele foi-se. É incrível como as forças aparecem quando precisamos delas, é surpreendente como ganhamos confiança quando fazemos a coisa certa.

Quando pus os pés em Glasgow estava sol e frio. Olhei para a minha nova cidade com um espírito de "deixa lá ver o que vai sair daqui", que a meu ver é o melhor espírito com que se pode olhar uma situação que não conhecemos mas esperamos que corra bem. Não houve amor imediato, ainda não há. Existe uma simpatia e um convívio civilizado que muitas vezes é mais que bom. A adaptação foi fácil e rápida, mérito da cidade. Quando me perguntam quando volto, não sei se volto. Quando me perguntam se fico, não sei se fico. Os dias são vividos passo a passo porque fazer planos hoje em dia tornou-se absurdo. O que é certo é que tão depressa digo mal do tempo como me emociono quando avisto as planícies verdes desde a janela do avião.Vivemos um dia de cada vez e para já estamos assim muito bem!
















Imagens de Stonehaven, tiradas num passeio há um mês atrás. (com telemóvel e sem Photoshop. Juro que as cores são mesmo assim. A Escócia é linda.)



22 Junho 2014

Um "viva"...




Às pernas sem meias às 9.30h da noite.

(E ao meu bronceado escocés que está prestes a desaparecer)



A qualquer hora



Não tinha pensado avisar ninguém de que iria passar em Madrid porque tinha pouco tempo e queria estar com o Ber mas depois da conversa em dia fomos jantar a um sitio mesmo centrico e quando estava sentada senti remorços de estar ali tão perto e não dizer nada. Mandei uma mensagem e foi assim:



Donde estás en este momento?

Jajajaja en la pelu!!! (cabeleireiro)

Eso queda cerca del Vips de Ortega y Gasset?

Pues si!!! Estás aqui???? Me queda depilarme y tengo el coche aqui al lado, te veo???!!!!

Corre que me piro a las 9! Estoy en la terraza con Berni.

Voy!



Y passados 20 minutos tinha a minha amiga ali ao pé.

Gosto de pessoas que não vêm impossíveis, que pegam na mala a qualquer hora e saem porta fora sem complicações. É certo que existe o factor sorte (como foi o caso) e possibilidade mas principalmente é preciso ter atitude, uma atitude que encontro em muito pouca gente! (E que me da "cabe dos nérves")



21 Junho 2014

Agora vou ser maricas



Depois de ter perdido o avião na quinta, e passado o susto inicial (que durou aproximadamente 2 minutos e meio. Sou pessoa pouco dada a panicanços), comecei a ver as vantagens de ter ficado em terra, comprar segundo bilhete e demorar quase 24h em viagem para chegar a Lisboa. A maior delas foi esta:




Um entendimento de olhares, de tom de voz, de raciocínio, um sentido de humor muito nosso que disfrutamos desde que ele tem idade para isso e um riso que me enche a alma desde que nasceu. 

Há poucas coisas melhores do que ter este irmão e passados 20 anos poderes falar com ele como adulto e sentires-te orgulhosa da pessoa em que se transformou é maravilhoso!



19 Junho 2014

Os marshmallows e eu





Quando era pequena deixava os melhores chocolates do sortido para o fim e começava sempre os trabalhos de casa pela matéria que gostava menos para ficar com a preferida no fim. Segundo o test do marshmallow isso fará de mim uma adulta fantabulástica e extremamente bem sucedida, certo? Vamos ver.





Se vocês soubessem a quantidade de vezes que vejo um português entendido em assuntos espanhóis e tenho de morder a língua para não desmanchar tamanha erudição e mandá-l@ ao ridículo... 

Muito sofre a pessoa que se contem! Ainda tenho de pensar se compensa. Se calhar não.



Private post


No meu dia de anos ligou-me. Eu consigo ser distante, mas tão distante quando me desiludem ou magoam que qualquer um diria que o faço por vingança, mas acreditem que não existe uma ponta de maldade, apenas um fosso enorme. 

O discurso foi ensaiado de quem o pensou antes para evitar atropelamentos mas hoje, na distancia, quando me lembro do telefonema tenho pena. Tenho pena porque conheço bem o que se passava naquela cabeça antes, durante e depois. Tenho pena porque sei também o que está a pensar e sentir neste momento, porque sei o quanto lhe pesa o afastamento embora não faça grande coisa para mudar e a partir invade-me um monte de dúvidas. Talvez não saiba como, talvez tenha medo, talvez não queira mesmo, só às vezes... Essencialmente tenho pena de que tenha acontecido.



18 Junho 2014

A minha descoberta do verão





Parecem barras de chocolate, mas são na verdade as barras de massagem da Lush. Comprei-as de presente para uma amiga que gosta de fazer massagens e fiquei-lhes com o cheiro agarrado às mãos e depois não me saiam da cabeça. 

Como a base é feita de manteiga de cacau pensei "e porque não usá-la como creme de corpo agora para o verão?". Não sei que tal me sairá a experiência, se absorve suficientemente depressa ou não mas para já vejo três enormes vantagens práticas: Ocupa menos lugar na mala que o frasco de creme de corpo, não entorna e não conta como liquido caso levem na mala de mão. Também devem durar mais que o creme de corpo e o preço, pelo menos aqui, fica mais ou menos o mesmo.




Esta é a minha. Veio com latinha incluída que dá sempre jeito e cheira a limãaaaao. Fica a ideia.


Update de última hora: experimentei as barras e são de facto fáceis de usar (é mesmo barrar no corpo e já está) e têm um cheiro maravilhoso mas demoram muito a absorver meninas por isso não o façam se se têm de vestir a seguir. Ah! Também dá um bocado de calor sentir o cacau colado ao corpo. Olhem, isto é bom é para praia! Lá para a hora da saída quando a pele está seca e ainda vamos não sei aonde antes de tomarmos um duche. É isso!



16 Junho 2014

Do meu dia de (30) anos


Não posso dizer que correu como planeado porque que eu não planeei coisa nenhuma.

Duas semanas antes acordei num domingo bem disposto e pensei "No meu dia de anos tenho de acordar numa cidade bonita!". Bruxelas nunca esteve na minha lista de prioridades. Fui à net, pesquisei voos ida e volta que não me obrigassem a cancelar consultas e de repente, de entre todas as opções que havia, Bruxelas pareceu-me uma excelente ideia. Reservei voo, transfer do aeroporto, hotel e não pensei mais na viagem até ao dia de partida porque não tive tempo!



Cheguei a Bruxelas no meu dia de anos bem cedo (não "acordei" lá, mas quase). Sem rumo definido e sem oficina turística à vista, achei por bem comprar um guia para pelo menos ter um mapa (deve ter sido o mapa mais caro da história). Não era grande coisa mas deu para desenrascar. 

Antes de continuar vou responder à pergunta que todos me fizeram: "Vais sozinha??" Sim, fui sozinha. Continuando, chegada ao centro da cidade comecei a vaguear. Riscar museus e monumentos da lista não é o que mais gosto de fazer quando viajo. Normalmente tudo isso mas o que aprecio mesmo fazer é andar pelas ruas como se vivesse lá, ir às padarias, aos supermercados, ver como vestem as pessoas, sentar-me nos bancos de jardim, nas esplanadas, comer uma sanduíche em pé, respirar o ar e ouvir o barulho do trânsito, essas coisas. 

Estava um dia fantástico! Tive de despir a camisola e andei de manga cava pela primeira vez no ano, fui chamada de "madmoiselle", comi lindamente, ouvi falar francês de pessoas simpáticas (bem me parecia que soava melhor), vi casais aos beijinhos na rua, cheirei a primavera, senti-me na Europa outra vez e é bom encontrarmos um bocadinho de casa num sitio onde nunca estivemos.  

Muito correm os belgas! E não me refiro à correria quotidiana, é mesmo ao jogging. Parque que fosse, eram grupos a correr o que me pareceu bem mais simpático do que correr sozinho. Reparei na placa e sorri: 




Tinha muitas saudades de ver isto




Na Catedral St Michael and Gudula havia uma exposição titulada "Um olhar contemporâneo sobre a Trindade" e eu apaixonei-me por esta peça:





Esta cidade cheira mesmo a chocolate, é uma coisa maravilhosa! As culpadas são as carrinhas de gaufres que há por todo o lado e as chocolateiras que aparecem como cogumelos. Se calhar é por isso que os belgas correm tanto! Se eu comesse chocolate à velocidade que o produzem, também correria... Não tirei foto das carrinhas nem das chocolateiras mas aqui estavam umas senhoras a barrar bolos em creme de chocolate não sei de que. Se ficasse a olhar mais um segundo tinha comido dois ou três. De certeza.
                               



Uma chocolateira muito "mignon" com um nome digno de tanta fofura ;)





Aqui eu seria tão feliz. Até tinham luvas de bolinhas!! Morri. 




O meu almoço e o meu jantar. Passei o dia com vontade de comer a toda hora! E foi assim que descobri outro modo de definir lugares: Há cidades que nos dão fome, outras que nos a tiram. 




Olho para as fotos e salivo outra vez. Desculpem a qualidade das mesmas mas foram com o telemóvel e sem a mínima intenção de fazer brilharete, só capturava o que me fazia feliz "porque sim".


Muito me desviei eu só para ver o mijão. Como é que uma estatueta mínima se torna símbolo de uma cidade? Além disso aposto que há imensas avós por ai com coisinhas destas no quintal, verdade ou mentira? Mas pronto, esta foi uma das coisas que "tive" mesmo de ir ver. Até parecia mal ir a Bruxelas e negligenciar a criancinha. Cá está ela.




E não podia ir à capital da Europa sem visitar o Parlamento Europeu. Mais outro "check" na lista apesar de ter ficado positivamente surpreendida com a arquitectura e tamanho do edifício, mas assim se a Europa acabar já tenho algo impressionante para contar aos meus filhos.




As visitas terminaram aqui. Foi um dia non-stop. Eram 6 da tarde e eu deixe-me ficar sentada a ouvir miudagem a correr no jardim, sentir o vento quente nos braços e o sol a bater-me na cara. Também tinha muitas saudades disto!



Terminei o dia de coração cheio. Afinal a maluqueira de um domingo de manhã saiu melhor do que eu esperava e foi a melhor decisão que tomei. Para casa vieram muitas mais umas quantas memórias e uns quantos sacos de chocolates. Agora é festejar os anos com o pessoal daqui e depois festejar os anos com o pessoal de lá e enfim... é uma celebração cigana que nunca mais acaba!

Ah, só mais uma coisa, lembram-se deste post aqui? Pronto, queria aqui corrigir e dizer que há loiros e loiros. Era só isto.