27 janeiro 2015

Filha de peixe....



Precisa de água e convenhamos que a água clorada da piscina ajuda mas não chega. Embora não me atrevesse a molhar o pé aqui nem pleno mês de Agosto, de vez em quando preciso chegar ao pé dela para lhe ver a cor, o movimento, a imensidão e ouvir o barulho das ond(inh)as que batem à "costa". Vivo numa ilha mas é que é muito mais fácil chegar a lagos do que ao mar, acreditem, e a verdade é que até agora não me tem importado nada. 

Desta vez o local escolhido foi Lake District que até no pico de Janeiro me fez sonhar com dias de verão. O dia estava cinzento mas não choveu (muito) e deu para caminhar à vontade. Começo sinceramente a apreciar a luz prateada que se sente por estas bandas.

























A vila, Windermere, é um amor tipicamente inglesa mas não tirei fotos. Como bónus e para quem tem crianças, esta é uma oportunidade perfeita para lhes dar a conhecer o Mundo de Beatrix Potter. Era em Lake District onde ela passava férias, onde escolheu viver a última metade da sua vida e onde investiu comprando a máxima quantidade de terrenos possível para os proteger da exploração turística e deixando-as entregues a um centro de preservação que mais tarde transformou a zona em Parque Nacional. Vale a pena a visita.






25 janeiro 2015

Definição de mulher moderna (actualizada à geração dos 30)




Quando estive em Lisboa no Natal combinei com uma amiga que tinha tido gémeos em Maio e eu ainda não tinha visto. Fomos tomar café primeiro e fiquei de passar lá em casa mais tarde para ver os miúdos. Cheguei à hora do banho/saída da empregada. Vestimos o que faltava, aqueceram-se sopas, entreteram-se choros com um "Baby First" de pano de fundo (bolas que aquele canal dá sono...!) e chegou a hora do jantar. Eu fiquei com um, ela com outro pusémo-los de costas um para o outro na cadeirinha deles e entre colher e colher, continuámos a conversa (que era muita). 

- Maria: Tenho de ir agora uma vez por mês ao Porto mas como o João está a acabar o curso dele já pode ficar com os miúdos.
- Eu: Mas ele não tinha feito já um de Endo?
- Maria: Sim, mas quer se especializar.
- Eu: E vai fazer na XXX? Acho que as especializações de Endo... (conversa de dentistas, não interessa) mas se quiseres eu consigo saber isso. Olha Maria o F. está-me a deitar tudo para fora.
- Maria: Ah tens de ser rápida, ele faz sempre isso. Espera fica tu com o M. que é mais fácil. (trocamos de cadeira). Já sei que vou faltar a um dos módulos porque cai mesmo no dia de anos deles.
- Eu: Que pontaria... Talvez o João se meta com eles a caminho de Porto e depois passam o fim de semana na Quinta.
- Maria: É uma hipótese mas logo se vê, ainda falta. E o teu curso é de que?
- Eu: Reabilitação Oral. Este ano é basicamente fundamentos e oclusão. Estes estão com tanto soninho meu deus...
- Maria: Pois estão e andam adoentados. Não dormiram muito a noite passada. Opá isso é fixe, ninguém sabe nada de oclusão.
- Eu: Pois não, é ridículo, mas pronto. Para o ano se quiser faço a segunda parte. Também podia começar a segunda parte já em Março e fazer tudo ao mesmo tempo mas prefiro ir com calma. O F já acabou?
- Maria: Não, adormeceu.  

Escanqueiradas, de pernas abertas com prato de sopa em punho e dois bebés pelo meio e conversas bipartidas, às vezes, nos dias de hoje, é o melhor encontro de amigas que uma mulher pode ter! E foi mesmo bom.



07 janeiro 2015

Na fila



Cada vez que ia a Lisboa pedia para me ver e cada vez que me pedia eu arranjava uma desculpa. Quis a sorte do macaco que escolhêssemos a mesma caixa para pagar no supermercado. Naquela interessante tarefa que é a espera, estava eu a conversar com o meu irmão quando reparei que tinha um gajo olhar para mim e a sorrir com cara de malandro. Pela expressão já devia estar assim há algum tempo... Sempre teve a irritante mania de ficar a olhar para mim a rir... e a seguir picar-me.

Não vou mentir, tinha saudades daquele sorriso. Fiquei contente de o ver mais pela coincidência (fui 3 vezes ao Colombo na minha vida, logo tinha de calhar aquele dia, àquela hora, naquela caixa) do que pelas saudades mas deu para saldar o encontro que andava a adiar sem ter de o marcar. Dois dedos de conversa aqui e ali, meti-me com o carrinho dele atulhado em álcool, meteu-se com o meu nariz empinado, chegou a minha vez, tive de voltar atrás porque um item não tinha preço, quando voltei já era a vez dele, paguei, pagou, picou-me mais uma vez, respondi-lhe na mesma moeda e foi cada um à sua vida. 

Há coisas que não morrem embora deixem de ter significado mas é engraçado como a vida faz questão de nos lembrar que existiram.



05 janeiro 2015

Gosto muito de números ímpares





Começo o ano sem balanços e sem promessas, não recordo de ter acontecido isto nunca. Ainda não percebi a razão de este "não planning" mas se isto não é um verdadeira folha em branco não sei bem o que será. Já não posso ouvir-me desculpar com essa do cansaço, mas a verdade é que também já me cansei de tentar perceber o porquê de muitas coisas. É assim, pronto. Quero lá saber porquê... Às tantas graças ao cansaço descubro a chave que me faltava: não pensar.

Que tenham um óptimo ano! Eu gosto de ímpares e para mim ter de escrever "15" várias vezes ao dia faz-me muito mais feliz do que escrever "14". Pode não parecer grande coisa mas para mim é um bom começo!

As saudades que eu tinha de vir aqui... não acreditem mas é verdade: tinha muitas saudades vossas! Tenho saudades do tempo em que os Blogues eram mais importantes que o Facebook.



Beijinhos a todos!




16 dezembro 2014

Conversa de filme porno:


(Ao telefone)

- Hello, is it Miss... (há sempre certa dificuldade quando chega a esta parte) Marquina?
- Mariana, yes.
- Hello Mariana, my name is Antonio (ponham pronuncia inglesa neste Antonio). I am the electrician for xxx. I know your fire alarm is not working?
- Yes, it's beeping every ten minutes or so...
- Ok. Will you be at home tomorrow?
- No, I am working until 6
- What about Thursday after 6?
- Thursday should be fine.
- Ok then, I'll be there... Hum...Are you spanish?
- Well, kind of...
- Me too... That's the "Antonio" (botem pronúncia outra vez) part... ahaha! So see on Thursday after 6, Mariana. (juro que o tom ficou ainda mais porno nesta frase).
- Ok. See you then!

E é esta a minha vida! Na 5f feira não me posso atrasar na clínica, tenho um encontro com o electricista.




21 novembro 2014

Duquesa Alba


Parece que ultimamente só venho ao blogue para registar mortes, isto tem mesmo que mudar! mas não podia deixar de o fazer, os posts do facebook são rápidos mas efémeros, no blogue regista-se para a posteridade e o que tenho a dizer hoje, é isto:

O que eu admirava esta mulher. Gosto de pessoas que espremem a vida cumprindo as suas obrigações e sem colocar ninguém em risco. Desafiar o mundo, seguir o nosso instinto, não ligar ao resto. Morrer depois de ter vivido assim, vale a pena. 



Parabéns pela vida, Duquesa. É uma inspiração.



21 outubro 2014

Nãaaaaaaaao!



Cada vez que aparecia numa revista ou reportagem era paragem obrigatória para mim. Era o meu preferido, o mais completo, um homem giraço de cair pro lado, ainda por cima latino, casas com uma decoração maravilhosa (feita por ele, claro está) e os vestidos mais femininos, elegantes e glamourosos do nosso tempo. Para mim o melhor designer de todos. Até a assinatura tinha estilo, caraças! Morreu. 

Não sabia que já era tão velhote, pensava que andava pelos 60 e o sonho de vir a ter um vestido dele mantinha-se. Agora já não sei que faça mas a noticia bateu-me fundo porque gostava mesmo muito do Oscar de la Renta, do pacote completo, e raramente eu gosto dos pacotes completo. Fiquei triste.
















Que charme! Não apetece levar para casa? Opá... o meu mundo ficou mais pobre.



24 setembro 2014

Não te apaixones...




Ele: Ó Mariana, mas explica-me lá como é que uma mulher gira, interessante e boa companhia como tu ainda está sozinha?
Eu: ... (pensei. Às vezes também não tenho resposta)   Olha... Se calhar por isso mesmo.




Não tenho tido muita vontade de vir contar o meu dia. A verdade é que ando tão embebida noutros assuntos que a maior parte do tempo é passada em encontrar respostas e fico com pouca margem para contar histórias, mas hoje li o post da maluca da Rita e lembrei-me desta conversa que tive com um amigo no verão e que também é um assunto que me visita de tempos a tempos. O post era um texto da Martha Rivera Garrido e diz assim:


"Não te apaixones por uma mulher que lê, por uma mulher que tem sentimentos, por uma mulher que escreve... Não te apaixones por uma mulher culta, maga, delirante, louca. Não te apaixones por uma mulher que pensa, que sabe o que sabe e também sabe voar, uma mulher confiante em si mesma. 


Não te apaixones por uma mulher que ri ou chora quando faz amor, que sabe transformar a carne em espírito; e muito menos te apaixones por uma mulher que ama poesia (estas são as mais perigosas), ou que fica meia hora contemplando uma pintura e não é capaz de viver sem música . 

Não te apaixones por uma mulher que está interessada em política, que é rebelde e sente um enorme horror pelas injustiças. Não te apaixones por uma mulher que não gosta de assistir televisão. Nem de uma mulher que é bonita, mas, que não se importa com as características de seu rosto e de seu corpo. 

Não te apaixones por uma mulher intensa, brincalhona, lúcida e irreverente. Não queiras te apaixonar por uma mulher assim. Porque quando te apaixonares por uma mulher como esta, se ela vai ficar contigo ou não, se ela te ama ou não, de uma mulher assim, jamais conseguirás ficar livre..."



Resumindo... é arriscado apaixonar-se por uma mulher assim! Não aconselho a quem tiver personalidade fraca e não é pedantismo, sei mesmo do que falo.